Project Description

Entrevista com Ariadna Asturzzi (atriz, dançarina, cantora, poetisa. Autora de quatro peças teatrais e do livro «Mundito» – 2019)

Por Andrea Amendola.

Andrea: Que tipo de relacionamentos amorosos você encontra nos laços contemporâneos?

Ariadna: Sei lá…, por exemplo, há algo muito interessante, que é aceitar que existem pessoas que não escolhem a monogamia e escolhem o poliamor – e, para mim, é super válido, desde que seja do consenso de todes envolvides. Mas acho ótimo que os que dizem «a monogamia não serve para mim» escolham isso, aceitem as regras, as compartilhem e as respeitem. Outro dia eu estava lendo uma moça que pratica poliamor, ela me parece muito inteligente, na verdade ela estuda psicologia e ela dizia que os relacionamentos sempre tem acordos, que “não é porque somos poliamorosos que não há nenhum acordo e vale tudo”. Sempre há acordos e aí é que está o equilíbrio, em encontrar os acordos, respeitá-los, aceitá-los, criar os seus, aceitar os de outre e respeitar, aquilo que se acorda. Para mim é uma outra forma de se relacionar, é o que me parece, e é por isso que gosto de ler a respeito e me interessa escutar casais que o fazem de forma consciente, decidida e respeitosa. Porque não me parece que valha tudo; há pessoas que, estando em uma relação, se sentem atraídas por outras pessoas e podem estabelecer relações amorosas, o que não é o mesmo que um relacionamento aberto. Em um relacionamento aberto, o casal pode ter relações sexuais com outras pessoas, mas o parceiro amoroso permanece o mesmo e no poliamor, eles podem estabelecer laços amorosos com outras pessoas e, então, cada casal estabelece suas regras.

 

Tradução: Gabriela Malvezzi

Revisão: Paola Salinas